Check-up da bicicleta antes de uma cicloviagem

Check-up da bicicleta antes de uma cicloviagem

Bike gasta. Saiba o que verificar antes de sair em viagem

A maioria dos ciclistas antes de sair em viagem leva a bike para uma revisão numa bicicletaria. Ela vem bonitinha depois de uma lavada, mas será que foi realmente revisada? Muita gente confunde lavar a bike com revisão. Um check up de verdade consiste em checar folgas nos componentes. Para isso, é necessário desmontar os componentes e checar um a um. Traduzindo em valores, uma lavagem de 20 reais não equivale a uma revisão.

Nesse serviço, o que o bicicleteiro pode fazer é uma checagem. Coisa que você também poderia fazer a qualquer momento. A questão toda é: será que na lavagem o mecânico checou se há folgas no cubo, pedivela ou corrente?

Pelo sim, pelo não, segue uma lista do que você deve olha na magrela antes de sair para uma trilha ou viagem.

Folgas nos cubos

Os cubos devem ser relubrificados regularmente de acordo com a quilometragem rodada e condições dessa rodagem. Não há tempo definido. Você pode checar com seis meses de uso e ver as condições da graxa, se já estiver escura, tem que limpar e trocar. Se ainda tiver com a cor original, da próxima vez você pode alongar mais o tempo para abrir novamente. Mas uma vez aberto, é melhor revisar tudo.

Outra maneira de verificar se há folga sem abrir tudo é a seguinte: Tendo certeza de que a roda está bem presa no quadro, levante-a do chão, segure no pneu e tente balançar lateralmente. Se sentir algo mexer, tem que abrir. Para fazer esse procedimento na roda traseira, deixe a corrente na coroa menor no cassete e tire do pedivela. A pressão da transmissão pode mascarar uma folga leve.

Folga no pedivela

O movimento central também pode abrir folga. Quando isso acontece tem que trocar. O primeiro sinal de que tem algo errado com ele é sentir algum atrito interno ao girar. Para fazer isso, o ideal seria tirar o pedivela e mover o eixo com os dedos. Se não estiver liso, é sinal de que está se deteriorando.

Nesse caso, se sua viagem for longa, maior que um final de semana, é melhor trocar. Se as saídas forem curtas, você pode ir monitorando a deterioração até haver folga. Nos movimento selados é inviável fazer manutenção interna.

Já no caso dos pedivelas integrados, você consegue abrir as laterais e inspecionar o rolamento. Nesse caso, a manutenção necessária é nos moldes dos cubos. Abrir, checar e trocar a graxa. Se a viagem for longa, o indicado é sempre relubrificar, mesmo que ainda não tenha dado o tempo regular para o procedimento.

Folga na mesa de direção

Essa é o problema mais fácil de ser detectado. Se você sente uma trepidação quando freia a roda dianteira é por que abriu uma folga ali. Você pode simplesmente soltar a mesa e apertar o parafuso da aranha um quarto de volta de cada vez até a folga sumir e o guidão ainda continuar livre. Depois reaperte a mesa.

Mas se apareceu folga, é melhor programar uma revisão que consiste em checar o rolamento e trocar a graxa. Se estiver faltando alguma esfera, troque o rolamento.

Desgaste do aro

Uma coisa que literalmente acaba com a viagem é aro estourado. A bike passa a ser carga também e dependendo de onde você estiver isso pode ser desesperador. Para quem usa v-Brake é fundamental checar de tempos em tempos, e principalmente antes de viagem, se o aro apresenta algum afundamento. Não espere por uma curva enorme, basta um milímetro a menos na parede para um possível problema.